O melhor nem sempre vence. O poder do pecado. (Série ECLESIASTES 37)

Ec 9.11-10.1         01/05/2022         63 minutos

Pregação por Pr. Mauro Clark

headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close O melhor nem sempre vence. O poder do pecado. (Série ECLESIASTES 37)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior
 

v.11-12

Exemplo típico em que as repetições de Salomão acrescentam algo interessante.

Ele reafirma que ninguém conhece o próprio futuro na terra e que, em geral, todos estão sujeitos às mesmas experiências de vida, mas explora um ponto de vista diferente.

Cita cinco tipos pessoas com características positivas: os mais rápidos, os mais fortes, os sábios, os prudentes e os inteligentes.

É claro que os mais rápidos sempre chegarão primeiro, certo? Errado.

E que os mais fortes sempre vencem a batalha: errado.

E que os sábios sempre garantem sua subsistência: errado.

E que os prudentes sempre conseguem juntar dinheiro: errado.

E que os inteligentes sempre conseguem agradar a todos e serem honrados: errado.

 

Via de regra, de fato, é isso o que acontece. Mas nem sempre. Não é uma regra.

Salomão não se limita aqui aos pequenos imprevistos do dia a dia.

Mas às calamidades, os desastres, os acidentes, as tragédias. (Hebr: mal, perverso, dor)

Ele compara com a rede traiçoeira que pega o peixe e o laço que prende o passarinho.

Além de vir de repente, não há como escapar, fica emaranhado.

 

Lições práticas:

* Não colocar energia demais e nem grandes esperanças nas coisas daqui. Tudo pode mudar de repente – mesmo que você esteja fazendo com prudência e competência.

* Não ser arrogante pelo fato de ter algo melhor que os outros. Mas o contrário: humilde.

* Ter compaixão com os que não conseguem bons resultados por causa de problemas que enfrentaram.

* Estar consciente de que poderá vir calamidade.

 

v.13-18a

Enfatiza aqui o poder da sabedoria, com uma história que parece ter sido real.

Embora não diga como o pobre sábio poderia ter livrado a cidade, é implícito que teria sido sem guerra, violência (um plano de proteção, um acordo com o inimigo etc).

 

Mas por que o sábio não livrou a cidade?

Porque ninguém se lembrou dele. E por que ninguém se lembrou dele?

Porque era pobre e, por isso, sem importância, desvalorizado.

É bem provável que ele soubesse ter a solução, mas não teria ousado se voluntariar.

Resultado: a sabedoria dele não entrou em ação e a cidade foi invadida.

 

Salomão conclui, então, que a sabedoria é melhor do que duas coisas:

1. A força, mesmo força de armas de guerra. (Mesma ideia de Ec 7.19; Pv 21.22).

2. Gritos dos que tem autoridade a seus subalternos tolos.

Pode ser que tenha se referido ao que ocorreu na tal cidade invadida.

O fato é que muitos governantes, chefes, patrões, terminam aos gritos quando trabalham com tolos, incompetentes.

Melhor do que gritar com incompetentes, é calmamente ouvir o sábio.

 

Além da conclusão, ele lamenta que...

... a sabedoria do pobre seja desprezada, e as suas palavras não sejam ouvidas.

Se o sábio fosse rico certamente seria conhecido, influente, bajulado e teria sido ouvido.

 

Lições:

* Podendo usar sabedoria para evitar conflitos (sua ou de um mediador), use! Rm 12.18

 

* Se estiver gritando com alguém, lembre-se:
a. Você está demonstrando que não é sábio ou não está se comportando como tal.

b. Se o outro for um tolo, você pode gritar até ficar roco, mas ele continuará sendo tolo!

 

* Saiba valorizar alguém que tem sabedoria, mesmo que seja pobre e você tenha a tendência perversa e carnal (e infelizmente muito comum) de desvalorizar qualquer virtude de alguém só porque ele é pobre. 

 

9.18b-10.1

Nos dois exemplos, o mesmo princípio: o mal é mais destrutivo do que o bem.

Um litro de perfume não conseguirá perfumar uma mosca morta, mas o mau cheiro da mosca contaminará o aroma do perfume.

Num cesto com dez maçãs, não são as nove boas que irão tornar boa a única ruim, mas o contrário: o única ruim contaminará as nove.

 

E isso não ocorre apenas no âmbito físico, material, mas também no moral:

... um só pecador destrói muitas coisas boas

Mesmo princípio: 1Co 15.33; 5:6; Pv 13:20; 2 Tm 2:16–18; Hb 12:15

 

Esse é o poder do pecado de Adão que entrou no mundo e contaminou a todos, causando-nos a morte.

Um só pecado da Acã, causou muitas mortes de soldados israelitas.

Todo dia isso ocorre ao redor do mundo.

 

Outra faceta deste princípio:

... uma pequena tolice pode ter mais peso do que a sabedoria e a honra.

Quantas vezes um mau conselho predomina sobre um conselho sábio.

Quantas vezes um assessor medíocre e imprudente tem muito mais influência numa autoridade do que assessores de alto nível, prudentes.

 

Mas nós, crentes, habitação do Espírito Santo, temos recebido poder para resistir a essa triste realidade do mal contaminar o bem.

Ainda temos alguma inclinação de nos sentirmos atraídos pelo mal, mas temos poder para resistir. pelo menos até certo ponto. Ef 6.10-18; 3.16; Cl 1.11

 

Que Deus nos abençoe. Amém.

Igreja Batista Luz do Mundo © 2008-2022
R. A, nº 53, Bairro de Lourdes (Dunas), Fortaleza - CE
E-mail: contato@luzdomundo.org.br
Telefone: (85) 98740-4743
close
Igreja Batista Luz do Mundo © 2008-2022 - www.luzdomundo.org
R. A, nº 53 - De Lourdes, Fortaleza - CE