Os indignos de Cristo

Mt 10.34-38         03/07/2022         66 minutos

Pregação por Pr. Mauro Clark

headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Os indignos de Cristo
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

Passagem forte, dura de ouvir.

v.34: Não pensem que eu vim trazer paz à terra, não vim trazer paz, mas espada

 

Como explicar Is 9.16 (Príncipe da Paz) e Jo 14.27 (A minha paz lhes dou)?

Resumidamente:
- O reino de Cristo é de paz, sim. Mas o mundo não é o reino dEle, mas de Satanás.
- Ele dá a Sua paz no coração do crente.

 

Aqui Ele fala do EFEITO da Sua vinda dentro do sistema mundano de vida aqui na terra.

A maioria rejeita enfaticamente a Pessoa de Cristo.

Por outro lado, uma minoria aceita com toda a força.

Em suma, uns são POR Ele, outros CONTRA Ele (Mt 12.30)

É inevitável que essa tensão resulte em briga, até mesmo espada!

 

v.35-37

E essa briga chegaria até a base da sociedade humana: a família.

Pelo menos duas maneiras pelas quais a divisão ocorre:

1) Perseguição, que Jesus resumiu numa só palavra: espada (perseguição física, com morte no caso extremo).

Mas perseguição pode existir em vários níveis - piadinhas, humilhações,  rejeição explícita (expulsão de casa).

 

Um judeu, filho de um rabi assassinado na Rússia, estudava para ser rabi e se converteu. Após a morte do pai, sustentou as duas irmãs mais novas, como um pai.

Quando se converteu recebeu uma carta de uma delas:
 - Querido Luis: Eu e minha irmã estamos profundamente amarguradas por essa coisa insana que aconteceu com você. Quem poderia imaginar que você se tornaria um traidor do seu pai e da religião dele, um judeu renegado! Oh, deixe esse seu Cristo bastardo e volte para nós e seja feliz novamente!
Ele respondeu, apelando que elas aceitassem Cristo. Resposta:
 - Você não é mais meu irmão. Para nós, você já morreu. O rabi aqui até já fez o seu funeral. Já vasculhamos todo o apartamento e destruímos tudo o que tinha o seu nome ou que você tinha nos dado. A única coisa quer estou foi essa caneta que você me deu no meu ~último aniversário. Quando acabar esta carta e assinar o meu nome, vou destruir esta caneta e jogar os pedaços no lixo. Seu judeu traidor, fique com o seu Cristo bastardo. Você não é mais nosso irmão.

Com uma historia desse tipo, essas palavras de Cristo ficam bem vivas!

 

2) Divisão também pode ocorrer por falta de ambiente no lar.

Mesmo sem perseguição, o ambiente pode se tornar insuportável ao crente, como, por exemplo, blasfêmia, mentiras, desrespeitos, comportamento indecente.

O crente fiel não comungará com essas coisas e acabará como peixe fora d’água.

Essa situação hostil terminará por criar uma pressão enorme sobre o crente. O que fazer?

* Revoltar-se contra os parentes, agredindo-os também?

* Ficar apático, se esquivando do problema?

* Deixar para seguir a Cristo em outra oportunidade, com mais calma?

 

Duas instruções claras:

1) Em qualquer situação, dar AMOR aos parentes. Nada de agressão, raiva, vingança.
Até o inimigo deve ser amado: Mt 5.44

 

2) Esse amor aos parentes jamais deve ser maior, ou nem mesmo igual, mas MENOR do que o amor pelo próprio Jesus Cristo.
Amor a Ele é prioritário, deve estar acima de tudo.

 

Às vezes, uma atitude de obediência a parentes pode parecer que Cristo ficou secundário, mas não ser o caso. Exemplos:

* Filho crente dependente de pai descrente, na mesma casa.

* Esposa crente de marido não crente.

Esses relacionamentos (filho-pai, esposa-marido) são importantíssimos aos olhos de Cristo e existem normas bíblicas sobre eles.

Se o crente descuidar, pode chegar à incoerência de desobedecer a Cristo para mostrar amor a Cristo!

Ex.: Uma esposa crente mandava dinheiro para o programa do rádio de um pregador, só que escondido do marido descrente e ainda tirando do dinheiro da casa.

O assunto é complexo e precisa da orientação do Espírito Santo para cada circunstância.

Se o crente não consiga fazer exatamente o que gostaria, ou mesmo venha a errar, Cristo vê o coração e conhece a intenção.

 

Ao mesmo tempo, dentro das condições, é fundamental que o amor a Cristo seja demonstrado o máximo possível, a todo o mundo, mesmo aborrecendo pai, mãe, irmão, esposa, amigos, etc.

Quem não estiver pronto para pagar esse preço, não é digno dEle.

 

Interessante: essa frase falada por uma pessoa qualquer, seria muita arrogância.

Mas dita por Jesus soa totalmente apropriada e natural. Afinal:

1) Ele é Deus. 2) Ele morreu por nós.

 

v.38

Até o v.37 Cristo falou de sofrimento causado por pressões de família.

Agora Ele generaliza e fala de sofrimento em termos gerais: cruz.

 

... toma a SUA cruz...

Cada um tem a sua, individual, diferente da do outro.

E aqui está uma certeza do crente na terra: sofrimento: 2Tm 3.12

 

... e vem após mim:

É implícito que o discípulo de Cristo sempre deve estar seguindo os passos dEle, mesmo que isso resulte em perseguição e sofrimento.

Muitos querem segui-Lo para deixar de sofrer. Mas essa noção está distorcida.

Ele nunca prometeu isso. É para segui-Lo mesmo sofrendo.

Quem não estiver disposto, não é digno dEle. Simples assim! Você está?

Que Deus nos abençoe. Amém.

Igreja Batista Luz do Mundo © 2008-2022
R. A, nº 53, Bairro de Lourdes (Dunas), Fortaleza - CE
E-mail: contato@luzdomundo.org.br
Telefone: (85) 98740-4743
close
Igreja Batista Luz do Mundo © 2008-2022 - www.luzdomundo.org
R. A, nº 53 - De Lourdes, Fortaleza - CE